Mergulhe em um buraco negro com estes vídeos imersivos da NASA

Publicado por Adrien - Segunda-feira 13 Maio 2024 - Outras Línguas: FR, EN, DE, ES
Fonte: NASA
Graças a um supercomputador da NASA, uma visualização imersiva nos permite explorar o que acontece quando nos aproximamos de um buraco negro.


Jeremy Schnittman, astrofísico no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, criou essas visualizações para simular dois cenários: no primeiro, a câmera roça o horizonte de eventos e é ejetada, enquanto no segundo, ela atravessa e sela seu destino.

É melhor escolher um buraco negro supermassivo, indica Schnittman. Ao contrário dos buracos negros estelares, que possuem um horizonte de eventos menor e forças de maré mais intensas que podem despedaçar objetos antes mesmo de eles alcançarem o horizonte, um buraco negro supermassivo estica menos intensamente os objetos que se aproximam.

Visualização alternativa com uma câmera que se aproxima, orbita brevemente e escapa do buraco negro supermassivo.
Esta versão imersiva em 360 graus permite visualizar sob todos os pontos de vista.
Crédito: NASA's Goddard Space Flight Center/J. Schnittman e B. Powell

À medida que a câmera se aproxima do buraco negro, alcançando velocidades próximas à da luz, o brilho do disco de acreção e das estrelas ao fundo se intensifica. As imagens tornam-se cada vez mais distorcidas, formando até imagens múltiplas à medida que sua luz atravessa o espaço-tempo cada vez mais deformado.

Em tempo real, levaria cerca de 3 horas para a câmera alcançar o horizonte de eventos. No entanto, para um observador distante, a imagem da câmera pareceria desacelerar e então congelar justo antes do horizonte, devido à distorção do espaço-tempo.

Esta visualização de uma jornada em direção a um buraco negro supermassivo mostra os estranhos efeitos da relatividade geral de Einstein. A câmera se aproxima, orbita brevemente, depois atravessa o horizonte de eventos, o ponto de não retorno de um buraco negro gigantesco semelhante ao do centro da nossa galáxia.
Crédito: NASA's Goddard Space Flight Center/J. Schnittman e B. Powell

Ao cruzar o horizonte de eventos, o espaço-tempo em si flui para dentro à velocidade da luz. Passado esse ponto, tudo é sugado para o centro do buraco negro, um ponto chamado singularidade, onde as leis físicas como as conhecemos deixam de se aplicar.
Página gerada em 0.061 segundo(s) - hospedado por Contabo
Sobre - Aviso Legal - Contato
Versão francesa | Versão inglesa | Versão alemã | Versão espanhola