Avanço significativo na produção de um sangue universal

Publicado por Redbran - Terça-feira 14 Maio 2024 - Outras Línguas: FR, EN, DE, ES
Fonte: Nature Microbiology
Cientistas avançaram mais um passo na produção de um sangue universal, que permitiria a qualquer grupo sanguíneo doar para outro. Essa conquista poderia um dia reduzir a escassez de sangue.


Cientistas utilizaram bactérias intestinais para criar uma versão preliminar de um sangue doador universal.
Crédito: Shutterstock

As pessoas com o tipo sanguíneo O já são doadores universais, mas este grupo nem sempre está disponível em quantidade suficiente. Portanto, permitir que todos os grupos doem para qualquer outro grupo poderia ser uma solução. No entanto, são necessárias mais pesquisas antes que este método possa ser utilizado clinicamente.

Em um estudo recente, pesquisadores identificaram longas cadeias de moléculas de açúcar na superfície dos glóbulos vermelhos, que tornam as transfusões sanguíneas entre certos grupos incompatíveis. Eles então utilizaram um coquetel de enzimas de bactérias intestinais para remover essas extensões de açúcar.

O Dr. Martin Olsson, professor de hematologia e medicina transfusional na Universidade de Lund na Suécia, explica: "Em vez de criar enzimas artificiais, exploramos o que se assemelha à superfície de um glóbulo vermelho. O muco do nosso intestino é parecido. Então, tomamos emprestadas as enzimas das bactérias que normalmente metabolizam o muco para aplicá-las aos glóbulos vermelhos."

Há décadas, cientistas tentam usar enzimas para cortar os antígenos dos grupos A e B. Os resultados são promissores: após limpar esses glóbulos vermelhos dos antígenos conhecidos, os sangues dos tipos A e B se parecem molecularmente com o sangue do tipo O.


Este diagrama mostra como as enzimas das bactérias intestinais podem ser usadas para remover as extensões dos glóbulos vermelhos que tornam alguns tipos de sangue incompatíveis com outros.
Crédito: Mathias Jensen, pós-doutorando no DTU

No entanto, testes recentes mostram que, mesmo após esse tratamento, os glóbulos vermelhos tratados ainda mostram incompatibilidades quando misturados com plasma do tipo O, devido às cadeias de açúcar ainda presentes.

Os cientistas demonstraram que a remoção desses antígenos e extensões torna o sangue dos tipos A e B mais compatível com o tipo O. O estudo sugere que essas extensões podem contribuir para a incompatibilidade inicial.

Apesar de ainda haver muito a ser feito antes que este método seja considerado suficientemente seguro para transfusões sanguíneas, representa um primeiro passo importante.
Página gerada em 0.149 segundo(s) - hospedado por Contabo
Sobre - Aviso Legal - Contato
Versão francesa | Versão inglesa | Versão alemã | Versão espanhola