James Webb revela uma colisão catastrófica no sistema Beta Pictoris

Publicado por Adrien - Há 28 dias - Outras Línguas: FR, EN, DE, ES
Fonte: NASA
As observações recentes do telescópio espacial James Webb (JWST) revelaram um evento espetacular no sistema estelar Beta Pictoris: uma colisão massiva entre dois asteroides gigantes. Esse choque titânico gerou uma imensa quantidade de poeira.


Localizado a 63 anos-luz de nós, na constelação do Pintor, Beta Pictoris é um sistema jovem com cerca de 20 milhões de anos, em comparação com os 4,5 bilhões de anos do nosso próprio Sistema Solar. Descoberto em 1983 pelo satélite infravermelho astronômico da NASA (IRAS), este sistema pode ter se formado a partir da onda de choque de uma supernova.

Atualmente, Beta Pictoris abriga pelo menos dois planetas gigantes gasosos, mas nenhum planeta rochoso foi identificado até agora. No entanto, os pesquisadores acreditam que planetas rochosos podem estar em formação graças a colisões massivas que geram muita poeira, como a recentemente observada pelo JWST. Durante uma apresentação no dia 10 de junho na 244ª reunião da Sociedade Astronômica Americana, os cientistas compartilharam essas descobertas.

O disco de detritos circumestelar de Beta Pictoris, uma vasta cintura de gás e poeira ao redor da estrela, ainda é muito ativo, tornando este sistema ideal para estudar as etapas tumultuadas iniciais da formação de planetas. Os pesquisadores esperam que estas observações ofereçam uma visão valiosa da história do nosso próprio Sistema Solar.

As observações mostraram que as grandes quantidades de poeira detectadas pelo telescópio Spitzer entre 2004 e 2005 desapareceram completamente. Isso sugere que uma colisão gigantesca ocorreu há cerca de 20 anos, reduzindo os asteroides a uma poeira fina comparável a partículas de pólen ou açúcar em pó.


Dois telescópios espaciais diferentes tiraram fotos com 20 anos de intervalo da mesma área ao redor da estrela chamada Beta Pictoris. Os cientistas supõem que a grande quantidade de poeira observada na imagem de 2004-2005 do telescópio espacial Spitzer indica uma colisão de asteroides. Esta em grande parte se dissipou quando o telescópio espacial James Webb capturou suas imagens em 2023.
Crédito: Roberto Molar Candanosa/Johns Hopkins University, com arte conceitual de Beta Pictoris por Lynette Cook/NASA

O sistema Beta Pictoris

Beta Pictoris é um sistema com uma estrela de magnitude 4 localizada cerca de 63 anos-luz da Terra, na constelação do Pintor. Esta estrela é particularmente conhecida pelo seu disco de detritos, o primeiro a ser descoberto ao redor de outra estrela que não o nosso Sol. O disco de detritos de Beta Pictoris é o resultado de colisões entre asteroides, cometas e outros planetesimais, tornando-o um laboratório natural ideal para estudar a formação de planetas.

Descoberta em 1983 pelo satélite infravermelho astronômico da NASA (IRAS), Beta Pictoris tem sido amplamente estudada por vários telescópios, incluindo o telescópio espacial Hubble e, mais recentemente, o telescópio espacial James Webb (JWST). As observações do JWST revelaram estruturas detalhadas nos discos de detritos, incluindo uma nova estrutura empoeirada que se assemelha a uma "cauda de gato" que pode ser resultado de uma colisão de asteroides ocorrida há cerca de 100 anos.

Beta Pictoris é uma estrela jovem, com cerca de 20 milhões de anos, muito mais jovem que o nosso próprio Sistema Solar, que tem 4,5 bilhões de anos. Ela abriga pelo menos dois planetas gigantes gasosos, Beta Pictoris b e c, que foram diretamente registrados. O sistema de Beta Pictoris é frequentemente estudado para melhor entender os processos de formação de planetas, incluindo como planetas rochosos podem se formar a partir dos discos de detritos.

As observações recentes mostram que o disco de detritos de Beta Pictoris é inclinado e que estruturas complexas, como a "cauda de gato", se formaram devido às interações dinâmicas dentro do disco. Essas descobertas ajudam os cientistas a entender melhor a dinâmica dos sistemas estelares jovens e os processos de formação planetária.
Página gerada em 0.113 segundo(s) - hospedado por Contabo
Sobre - Aviso Legal - Contato
Versão francesa | Versão inglesa | Versão alemã | Versão espanhola